MEUS SEGUIDORES

quarta-feira, 18 de abril de 2012

UM POUCO DE CONHECIMENTO SOBRE LEITURA E ESCRITA.



A ESCOLA , ESPAÇO PARA FORMAR ALUNOS LEITORES E ESCRITORES.

A escola é o espaço de interlocução onde a criança deverá ter a oportunidade de interagir com uma diversidade de textos orais e escritos, e que possam  ser também, diferentes dos que fazem parte do seu dia-a-dia, para que  assim, compreendam outras realidades. Ler e escrever como interlocução significa apropriação e produção de uma linguagem onde a criança tenha condições de estabelecer relação com o outro dialogando e produzindo sentido novo. Através da possibilidade de ler e produzir diferentes tipos de textos, dos mais simples aos mais elaborados, é que tornará as crianças em leitores e escritores.
       A leitura é uma das chaves para entrar em outros mundos: reais ou imaginários, possíveis ou impossíveis. E aos poucos os alunos vão adotando esta prática naturalmente, lendo por prazer e não por imposição. Dessa forma, vai se investindo na formação de leitores, fazendo com que as crianças tenham pressa e gosto por aprender a ler. Caminhando e girando no fascinante mundo da leitura. Como nos mostra Mota citado por Silva (1983):

                                    Quando a leitura é uma necessidade, um “gosto” apreciado no ambiente em que a criança vive se é partilhado, usufruindo em comum , a criança desenvolverá o quanto puder a capacidade de ler, mesmo que ainda não conheça, não domine a leitura, a palavra escrita. (MOTA apud SILVA 1983, p. 146).
            Verifica-se que quanto mais oportunidades os alunos tiverem para ouvir, ver e sentir a leitura alheia maior será o repertório deles, maior será a sensibilidade para compreender o que lêem e ouvem, gerando mais desejos  e paixões pela leitura.
A atividade de leitura se faz presente em todos os níveis da sociedade, sendo um instrumento fundamental, desenvolvido pela escola para a formação dos alunos. Na escola e na vida, são muitas as produções de leitura: lê-se para obter informação e ampliar o universo histórico e cultural: lê-se em busca de diversão e descontração; lê-se para alargar os limites do próprio conhecimento; lê-se para chegar ao “prazer do texto”, que resulta de um trabalho dialógico árduo, de um corpo a corpo entre o leitor e sua experiência prévia do mundo, e o autor e seu texto característico.

            Logo, a leitura de textos diversificados favorece aos e alunos desenvolver a capacidade de analisar criticamente os usos lingüísticos, fazendo com que os momentos de aprendizagens estreitem os laços com a função social da linguagem, considerando a sua utilização cotidiana, veiculando diferentes intenções.
            A  compreensão de um texto é um processo que se caracteriza pela utilização de estratégias para se realizar a interação texto-leitor. Ler um texto representa um esforço na busca de sue sentido, de suas intenções; e para que esta tarefa se processe de forma prazerosa e eficaz é fundamental prepará-la desde o início. A competência que os alunos constroem para lidar com as diversidades que encontram de realizar atividades em que sejam convidados a ler e a produzir textos. A professora Ângela Kleiman afirma que:
                                    (...) quanto mais diversificada a experiência de leitura dos alunos, quanto mais familiaridade eles tiverem com textos narrativos, expositivos, descritivos, mais conhecida será a estrutura desse texto, e mais fácil a percepção das relações entre a informação veiculada no texto e a estrutura do mesmo. (KLEIMN, 1993, p.87).

            O trabalho com a leitura pressupõe a construção do(s) significado(s) do texto. A leitura estabelece uma troca, um diálogo entre autor e leitor e este constrói os significados do texto a partir da interação. As experiências anteriores de leitor irão influenciar suas atividades e a própria capacidade de interpretar e criticar. Daí a grande importância do contato com diferentes materiais impressos antes de a criança ser alfabetizada. A leitura, além de ter um valor técnico para a alfabetização, é ainda uma fonte de prazer, de satisfação pessoal, de conquista, de realização, servindo de grande estímulo e motivação ara que a criança goste da escola e de estudar. Na escola, a presença da leitura se inicia no período da alfabetização, quando a criança passa a compreende o significado potencial de mensagens registradas através da escrita. A alfabetização é, portanto, um processo que se inicia bem antes da entrada das crianças na escola, ela está acontecendo na vida, enquanto os indivíduos agem e interagem. Faz-se necessário considerar toda essa aprendizagem informal, porém valiosa, que as crianças constroem em contato com outras crianças, com adultos, e com o meio. Cada criança possui uma “bagagem cultural” determinada no caso da leitura e da escrita, pela maior ou menor exposição, contato e experimentação com todo o tipo de material escrito, e ainda, pela quantidade de interlocução que se estabelece com outras crianças e adultos presentes em seu meio social.
                        Vygotsky afirma que:
A aprendizagem está relacionada ao desenvolvimento desde o início da vida humana. Sendo um aspecto necessário e universal do processo de desenvolvimento das funções culturalmente organizadas e especificamente humanas. (1984, p. 101).
            O referencial teórico Vygotskyano aponta os processos pedagógicos como intencionais, preocupando-se com a importância da intervenção pedagógica para que ocorra o processo de alfabetização, de domínio do sistema de leitura e escrita.
            Vygotsky teve seu olhar sempre voltado para o espaço de atuação e interação desse sujeito com o mundo externo: com outros sujeitos e o meio. Em conseqüência disso, a linguagem que para Piaget resultava de determinadas estruturas cognitivas do sujeito, passa então a ser entendida como interdependente e constitutiva do pensamento dos sujeitos, desde ao nascer, por toda a vida. Portanto, a linguagem além de sistematizar as experiências das crianças (cognitivas, sócio-afetivas, psicomotoras), também estrutura e organiza os processos mentais formalizados assim, como todos os que ainda estão em andamento.
      A preocupação da escola deve ser garantir que os alunos busquem esse significado, mas que essa busca esteja sempre entrelaçada ao desejo de ler. É importante que as crianças façam inferências, extrapolando o universo da palavra para o mundo em que vivem.
            Votando ao pensamento  de Kleiman (1989):
                                    (...) a leitura é um ato social, entre dois sujeitos – leitor e autor – que ”para tornar os alunos bons leitores, para desenvolver, muito mais do que a capacidade de ler, o gosto e o compromisso com a leitura – a escola terá de mobilizá-los internamente, pois aprender a ler ( e também ler para aprender) requer esforço. Precisará fazê-los achar que a leitura é algo interessante e desafiadora, algo que conquistado plenamente, dará autonomia e independência. Precisará torná-los confiantes, condição para poderem se desafiar a “aprender fazendo”. Uma prática de leitura que não desperte e cultive o desejo de ler não é uma prática pedagógica eficiente”. (1997,p.58).
            É necessário que a leitura seja desde o início de sua aprendizagem, interpretada como um meio como um instrumento para realizar ou buscar alguma coisa, seja um prazer, seja uma informação, seja um conhecimento. Não faz sentido que o professor avalie  a competência em leitura tendo como referência tão somente a identificação de palavras sem verificar as habilidades do leitor que ao ler uma história, busca entende-la, estabelecendo as ligações entre partes diferentes do texto. Um trabalho desenvolvido no sentido de formar leitores exige avaliação complexa, plural, em longo prazo. Se as crianças não forem incentivadas desde o início da aprendizagem, se não puderem contar com o apoio e a colaboração de seus professores e se não tiverem bons modelos de referência, tornar-se-á quase impossível conquistar o prazer pela leitura. Afinal, o amor à leitura e à escrita tem a ver com uma iniciação bem feita e apoiada durante o período de entrada na vida escolar. O bom leitor é conseqüência da atmosfera reinante no seu contexto social, principalmente das práticas presentes na escola, cujo objetivo primordial é o de formar o leitor crítico, conforme enuncia Silva:

                                    A leitura crítica é condição para a educação libertadora, é condição para a verdadeira ação cultural que deve ser implementadas  nas escolas (e nas bibliotecas).
                                    A explicação desse tipo de leitura, que está longe de ser mecânica (isto é, não geradora de novos significados) será aqui feita através da caracterização do conjunto de exigências com o qual o leitor crítico se defronta ao confrontar um texto escrito, ou seja, constatar, cotejar e transformar. (1981, p.81).
             Com base no pensamento da autora,é importante salientar que o ato crítico de ler aparece como um conjunto de atos de consciência do leitor, que são acionados no momento em que ocorre o encontro significativo desse leitor com uma mensagem escrita, ou seja, quando esse leitor se situa concreta e criticamente durante o ato de ler

            Desse modo, o texto a ser lido e criticamente analisado por um leitor será sempre um desafio para a compreensão mais profunda e objetiva do contexto humano, assim, levando em consideração que qualquer tipo de linguagem sempre possui um referencial mundo/realidade, ser leitor é ser capaz de aprender os fatos referenciais inscritos num determinado texto, o que significa dizer compreender a dinâmica do real e compreender-se como um ser que participa dessa dinâmica.
            Assim, a leitura de um texto não pode ficar de maneira alguma, nos limites dela mesma, mas remeter o leitor à percepção, o conhecimento e à análise da realidade.
            O leitor crítico movido pela intencionalidade de sua consciência desvela os significados indicados pelo autor através do texto, mas não permanece nesse nível, ele reage, questiona, problematiza, aprecia com criticidade, de acordo com as experiências que possui em seu repertório.
            Diante de sua compreensão a criança leva consigo o alargamento do seu domínio lingüístico e considerando outros aspectos essenciais e significativos para a formação de um novo tipo de leitor, pode-se criar um cantinho de leitura em sala de aula, incrementando a biblioteca da escola por meio de eventos variados, tais como: exposições de livros, pesquisas e conhecer outras bibliotecas públicas e outras atividades ligadas aos interesses da leitura para os alunos, mudando desta forma antigos hábitos de leitura, a base da descoberta, podendo transformar a leitura em aprendizagem significativas.
            Portanto, ao ler um poema, uma história interessante, contos de fadas com príncipes, princesas e castelos, uma notícia de jornal que apresente para as crianças um acontecimento do momento deixando-as por dentro das informações, ou mesmo uma trova popular, ou um texto engraçado, o professor se encontra com uma experiência inesquecível e fundamental na formação de um futuro leitor.
            Segundo Silva (1983), as interpretações que as crianças fazem dos textos literários, é, sem dúvida uma condição essencial ao alargamento da compreensão do mundo pela criança, quando afirma que: “a leitura crítica sempre leva à produção ou construção de outro texto: o texto do próprio leitor. (...) a leitura crítica sempre gera expressão: o desvela mento do ser leitor”. (1983, p.81).
            Nesse sentido, faz-se necessário entender a leitura como uma atividade de múltiplas funções para poder partilhar com as crianças o prazer e a necessidade de ler.
Compreendendo que a leitura/escrita é a base de aprendizagens múltiplas, e que é um instrumento de poder e de transformação, cabe ao professor realizar um trabalho que possibilite, no acontecer da leitura e a partir da verbalização das impressões, criar o mundo dos textos em sua diversidade e pluralidade.
            Através de uma escola questionadora que ofereça aos educandos uma diversidade de materiais e de pensamento, formando assim o leitor crítico, o leitor do mundo, condição esta para uma educação significativa.
            A formação de um leitor competente é também a formação de um ser sensível, inteligente e aberto para o aprendizado constante que se poderia fazer com a leitura na escola, caso contrario , a leitura e a escrita, que deveriam completar-se no processo de construção do conhecimento, perdem o significado, ou seja, não se atribui sentido ao que se lê e ao que se escreve.
            Num enfoque amplo do ensino da leitura, o ensinar a ler para aprender deve vir acompanhado do prazer de  ler,  para isso a criança precisa ser motivada , é preciso que o educador  mostre que  a leitura é algo interessante e desafiador. Algo que conquistado plenamente terá autonomia, independência, ampliando as possibilidades de pensar, de conhecer, de ler o mundo para transformá-lo.
Referências Bibliográficas
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Brasília MEC/SEF, 1997.
CAGLIARI, F. Costa e textos espontâneos na primeira série, recuperando a alegria de ler e escrever. São Paulo: Cortez, 1994.
KATO, Mary. A concepção da escrita pela criança. Campinas: Pontes, 1988.
KLEIMAN, Ângela. Oficina de Leitura. Campinas: Pontes, 1993.
_____________. Texto e leitor. Aspectos cognitivos da leitura. Campinas:Pontes, 1989.
LIBÂNEO. IC. Didática. São Paulo: Cortez, 1994 p. 195-261
MARTINS, Maria Helena. O que é cultura. São Paulo. Brasiliense, 1982.
SILVA, Ezequiel Teodoro. A leitura e a realidade brasileira. Porto Alegre: Mercado Aberto. 1983.
___________ Leitura e realidade brasileira. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.
VICOTSKY, LV. Sem Nevetch. Pensamento e linguagem.  São Paulo: Fontes, 1993.
OBSERVAÇÃO: Todas as fotos postadas foram resultado de pesquisas na internet.


4 comentários:

  1. Adorei o blog, muito boas as postagens, essa sobre leitura fiz toda leitura e particulemente gostei muito, sou professora do língua portuguesa e sua contribuição está sendo maravilhosa, continuarei visitando o seu blog. Parabéns!
    Ha! amei as animações lindas!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada professora de lingua portuguesa, que bom que aprovou o texto, volte sempre será um prazer, deixe sugestões, abraços.

      Excluir
  2. Oi professora gostei muito do seu blog, estou gostando muito das postagens essa sobre leitura está muito boa, servirá para minha pesquisa. Sou professora e estou concluindo um trabalho científico, obrigada voltarei outras vezes. Parabéns pelo blog.
    Profº Ana Paula, abraços.

    ResponderExcluir
  3. Oi Professora Ana, que bom que os textos postados estão sendo aprovados por você e servirá para ajudar na sua pesquisa. Vi outros comentários seus em outras páginas, isso é muito bom!!! Volte sempre esse cantinho é nosso. Abraços.

    ResponderExcluir

Muitas vezes, a correria de nossas vidas nos impede de dar atenção ao que realmente vale a pena. E agradecer é uma das coisas que acabam ficando esquecidas na correria do dia-a-dia.
Pode ser por um simples favor ou por uma grande atitude, mas o agradecimento nunca deve ser esquecido. Obrigado Por Sua Atenção e Pelo Carinho e por ter vindo até aqui e deixando seu comentário importantíssimo para o engrandecimento das postagens. SEJA SEMPRE BEM VINDO(A) Profª Lourdes Duarte