MEUS SEGUIDORES

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

O QUE É A PÁSCOA, COSTUMES DA LITURGIA PASCAL, SÍMBOLOS E SEUS SIGNIFICADOS




                  O QUE É A PÁSCOA

         COSTUMES DA LITURGIA PASCAL

SÍMBOLOS DA PÁSCOA E SEUS SIGNIFICADOS

A Páscoa é a principal festa do ano litúrgico cristão, comemorativa da ressurreição de Jesus Cristo, no terceiro dia após a crucificação. É também a época que os judeus comemoram a libertação do seu povo do jugo egípcio. A festividade da Páscoa foi fixada pelo Concílio de Nicéia (325 d.c.) no primeiro domingo após a lua cheia que se seguir ou anteceder o dia 21 de março. Se a lua cheia cai em 20 de março, a seguinte será então a de 18 de abril (29 dias após). Se este dia for um domingo, a Páscoa, será então a 25 de abril. Assim, a festa da Páscoa oscila entre 22 de março e 25 de abril, e de sua data dependem as datas de todas as outras festas móveis: Paixão, Ramos, Ascensão, Pentecostes, Trindade e a festa de Deus (corpo de Deus ou do Santíssimo Sacramento).

Suas origens remontam aos primeiros tempos do cristianismo e é provavelmente, a mais antiga comemoração cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. O nome Páscoa vem do aramaico pasha, em hebraico pesah. O seu significado etimológico é incerto. Alguns procuram-no em raiz egípcia que significa “golpe” ou “ferida”. Há quem prefira ligar a palavra ao siríaco, que significaria “ser feliz”. Entretanto o significado geralmente aceito é o que adquiriu no hebraico bíblico: “saltar”, “passar adiante”. No livro de êxodo a palavra relaciona-se à noite em que Javé feriu os primogênitos do Egito e “poupou” ou “saltou” as casas dos israelitas cujas traves das portas estavam pintadas com o sangue do cordeiro pascal.
        COSTUMES DA LITURGIA PASCAL



Como a paixão e a morte de Jesus coincidiram com a Páscoa judaica, vários costumes e símbolos dessa festa foram incorporados às tradições cristãs. Alguns costumes da liturgia pascal, como o de acender o primeiro fogo do domingo, desapareceram com a perda de seu sentido simbólico na civilização ocidental. Outros costumes permaneceram apenas no Oriente. Nos paises ibéricos e em suas ex-colônias ainda persiste a “malhação do Judas”, hábito condenado pela Igreja, que consiste em linchar simbolicamente, no sábado de aleluia, o apóstolo que traiu Cristo.

A Igreja Católica nos preparativos para a vigília pascal obedece a um esquema no qual todos os temas e simbolismos são gradativamente apresentados. Em novembro, inicia-se a preparação com instruções sobre os sacramentos. A Quaresma é a preparação prática, por meio de penitência. No domingo de Ramos, celebra-se a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, sob os aplausos da mesma multidão que o verá crucificado no final da semana.

O sacrifício de Cristo é lembrado na sexta-feira da paixão. Por ordem do papa Pio XII, desde 1951 a missa do sábado de aleluia é celebrada à meia-noite, na passagem para o domingo. Nas igrejas protestantes, as celebrações do sábado de Páscoa são o ponto culminante de uma série de serviços religiosos realizados durante a Semana Santa, que começa no domingo de Ramos.

OS SÍMBOLOS DA PÁSCOA

O Peixe 


Os cristãos são reconhecidos pelo símbolo do peixe há muitos anos. A relação com a Páscoa está no fato de as aparições de Jesus, após a ressurreição, estarem sempre ligadas à presença de peixe . 

Por que comemos peixes na Semana Santa?


Comer peixe na Semana Santa faz parte da tradição e da vocação Cristã. O costume de comer peixe é ligado a uma forma de praticar o jejum e a abstinência, uma prática, ao lado da caridade e esmola, indicada pela Igreja como prática de devoção típica do tempo de Quaresma.

A título de esclarecimento, é obrigatório o jejum na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa. Nas outras Sextas-feiras (e até nas Quartas-feiras) o jejum não é obrigatório, embora continue sendo uma prática louvável.

Comer peixe no lugar de carne. Mais do que um valor material, esta “troca” tem um profundo significado simbólico da fé. O jejum é uma expressão de fé, é praticado por motivo de fé. A forma de praticá-lo (comer peixe) quer ser uma afirmação da fé cristã. De que modo? A carne representa o mundo material, com suas paixões, pecados, egoísmo, ganância, as coisas “do baixo” e a aversão às coisas “do alto”. O peixe está presente em muitos lugares da Bíblia e tem um símbolo profundo na tradição cristã. Lembremos o profeta Jonas, engolido por uma baleia, que significa a ressurreição de Jesus.




Os Ramos- A Semana Santa começa no Domingo de Ramos, porque celebra a entrada de Jesus em Jerusalém montado em um jumentinho – o símbolo da humildade – e aclamado pelo povo simples, que O aplaudia como “Aquele que vem em nome do Senhor“. Esse mesmo povo O havia visto ressuscitar Lázaro de Betânia havia poucos dias e estava maravilhado. E tinha a certeza de que este era o Messias anunciado pelos profetas; mas tinha se enganado no tipo de Messias que o Senhor era. Pensavam que fosse um Messias político, libertador social que fosse arrancar Israel das garras de Roma e devolver-lhe o apogeu dos tempos de Salomão.

Para deixar claro a esse povo que não era um Messias temporal e político, um libertador efêmero, mas o grande libertador do pecado, a raiz de todos os males, então, Cristo entra na grande cidade, a Jerusalém dos patriarcas e dos reis sagrados, montado em um jumentinho; expressão da pequenez terrena, pois não Ele é um Rei deste mundo!

Dessa forma, o  Domingo de Ramos é o início da Semana que mistura os gritos de hosanas com os clamores da Paixão de Cristo. O povo acolheu Jesus abanando seus ramos de oliveiras e palmeiras. Os ramos significam a vitória: “Hosana ao Filho de Davi: bendito seja o que vem em nome do Senhor, o Rei de Israel; hosana nas alturas”.

Os ramos santos nos fazem lembrar que somos batizados, filhos de Deus, membros de Cristo, participantes da Igreja, defensores da fé católica, especialmente nestes tempos difíceis em que ela é desvalorizada e espezinhada.
Os ramos sagrados que levamos para nossas casas, após a Santa Missa [do Domingo de Ramos], lembram-nos de que estamos unidos a Cristo na mesma luta pela salvação do mundo, a luta árdua contra o pecado, um caminho em direção ao Calvário, mas que chegará à Ressurreição.

O Mestre nos ensina com fatos e exemplos que o Seu Reino, de fato, não é deste mundo. Que ele não veio para derrubar César e Pilatos, mas para derrubar um inimigo muito pior e invisível, o pecado. E para isso é preciso se imolar; aceitar a Paixão, passar pela Morte para destruir a morte; perder a Vida para ganhá-la.

A muitos o Senhor decepcionou; pensavam que Ele fosse escorraçar Pilatos e reimplantar o reinado de Davi e Salomão em Israel; mas Ele vem montado em um jumentinho frágil e pobre. “Que Messias é este? Que libertador é este? É um farsante! É um enganador, merece a cruz por nos ter iludido”, pensaram. Talvez Judas tenha sido o grande decepcionado.
O Domingo de Ramos ensina-nos que a luta de Cristo e da Igreja, e consequentemente a nossa também, é a luta contra o pecado, a desobediência à Lei sagrada de Deus que hoje é calcada aos pés até mesmo por muitos cristãos que preferem viver um cristianismo “light”, adaptado aos seus gostos e interesses e segundo as suas conveniências. Impera como disse Bento XVI, a ditadura do relativismo.

O Domingo de Ramos nos ensina que seguir o Cristo é renunciar a nós mesmos, morrer na terra como o grão de trigo para poder dar fruto, enfrentar os dissabores e ofensas por causa do Evangelho do Senhor. Estar disposto a carregar a cruz com aquele que a levou até o Calvário sem abandoná-la. Estar disposta a defender o Cristo e a Igreja com novo ardor, e com novo ânimo, especialmente hoje em eles são tão aviltados em todo mundo.



O Cordeiro –Em todas as missas, antes da comunhão, rezamos ao "Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo" (Expressão retirada de Jo 1,29-34). Essa oração, repetida três ou mais vezes, indica que quem se une a Cristo por meio da comunhão reconhece e assume também a condição de cordeiro sacrifical disposto a se empenhar pela eliminação dos pecados da humanidade.

A exemplo dos cordeiros imolados no Egito, cujo sangue salvava a família do massacre do "exterminador", Jesus é o Cordeiro de Deus que tira os pecados que oprimem as pessoas. Em outras palavras, ele é o Cordeiro que salva e conduz para a vida plena e feliz. Seu sacrifício traz luz, salvação e paz para a humanidade.

João não conhecia o Messias, mas aos poucos foi percebendo quem era. Este é o caminho de todo catecúmeno, ou seja, daquele que se propõe seguir o Mestre: convivendo com os irmãos na fé e aprendendo com a leitura dos evangelhos, com o estudo sobre ele, com os ensinamentos da Igreja, ir conhecendo quem ele é. O conhecimento de Jesus se dá aos poucos, é algo progressivo. Com o tempo, João descobre a presença do Espírito de Deus em Jesus e a partir daí vai percebendo que Jesus é mais do que o ungido por excelência - o Messias -, é o Filho amado e querido de Deus.

Mediante a missão do seu Filho, Deus se propõe eliminar a opressão que pesa sobre a humanidade. Com sua morte, Jesus será o libertador e o alimento dos seus seguidores. Participando da plenitude que ele possui, seus discípulos também nascerão do Espírito e receberão "a força de vida-amor que os libertará da opressão do pecado".
 A Cruz –


A Cruz significa Cristo sacrificado em favor do seu rebanho.
Jesus morreu na cruz para salvar todo aquele que nele crer!
Assim como diz em João 3:16 "Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu Seu Filho unigênito (único), para que todo aquele que Nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna"!
Ele morreu para que possamos ser salvos!
Não foi por ele, e sim por nós, foi um ato de amor!
O Pão e o Vinho 

 simbolizam a vida eterna, o corpo e o sangue de Jesus, oferecidos aos seus discípulos na última ceia, para celebrar a vida eterna.
O Círio Pascal – 

a grande vela que se acende na aleluia. Quer dizer: “Cristo, a luz dos povos”. As letras gregas, alfa e Omega nela gravadas querem dizer: “Deus é o princípio e o fim de tudo”.
O Coelho da Páscoa 

por ser animal com capacidade de gerar grandes ninhadas, a imagem do coelho simboliza a fertilidade e a capacidade da Igreja de produzir novos discípulos constantemente.
O Ovo de Páscoa - simboliza o nascimento, o começo de uma vida nova. O costume de presentear as pessoas na época da Páscoa com ovos ornamentados e coloridos começou na antiguidade. Os cristãos primitivos da Mesopotâmia foram os primeiros a usar ovos coloridos. Em alguns países europeus, os ovos são coloridos para representar a alegria da ressurreição. Na Grã-Bretanha, costumava-se escrever mensagens e datas nos ovos que eram dados às crianças com outros presentes. Na Armênia decoravam ovos ocos com retratos de Cristo e da Virgem Maria e de outras imagens religiosas.

Na França, no século XIII, estudantes da Universidade de Paris, saiam em procissão, para recolher presentes pascais, principalmente ovos, para depois distribuí-los aos amigos, colegas, parentes e vizinhos. O rei da França distribuía cestas de ovos dourados nessa ocasião. Nos séculos XVII e XVIII, os ovos de Páscoa serviam de motivos artísticos, alguns eram verdadeiras obras de arte. O costume é comum a todos os paises católicos. Vale salientar que os ovos não eram comestíveis, pelo menos como se conhece agora.

No Brasil, a moda começou depois de 1920, especialmente nas grandes cidades do Sul, onde os ovos de Páscoa vinham de Paris, trazidos como lembranças para os amigos. Popularizou-se lentamente e nas confeitarias surgiram os ovos de chocolate e massa doce. Hoje as fábricas de chocolates se mobilizam com meses de antecedência para conseguir atender a demanda.

Há ovos de toda procedência, desde os de pequenas fabricações caseiras até os de grandes fábricas nacionais e multinacionais. A variedade de ovos de páscoa também é muito grande, no que diz respeito aos sabores e tamanhos. O domingo de Páscoa é o dia de se oferecer os ovos.


FONTES DE PESQ!UISAS:

 http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/

Felipe Aquino :felipeaquino@cancaonova.com

ttp://www.padrewaldomiro.com.br/
 (Pe. Nilo Luza, ssp)http://soucatequista.com.br 
Imagens: Cópiad do Google


4 comentários:

  1. Olá querida Prof: Lourdes, que belo trabalho, uma linda mensagem, sobre a pascoa de jesus, minha querida professora, estou passando para te oferecer um selo,esteja a vontade para aceitar , está no meu blog, é oferecido com muito carinho para ti.
    Um abraço

    Maria Machado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Minha querida! Obrigada pela visita e pelo selinho, irei pegar e fazer uma postagems, assim que estiver com mais tempinho. Obrigada!!!

      Excluir
  2. Olà Lourdes!! Continua a surpreender -me com suas lindas mensagens.
    obrigada pela menagem Pascal!
    Boa noite beijs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada a você Amélia! Volte sempre, bjus

      Excluir

Muitas vezes, a correria de nossas vidas nos impede de dar atenção ao que realmente vale a pena. Agradecer é uma das coisas que acabam ficando esquecidas nesta correria do dia-a-dia.
Pode ser por um simples gesto ou por uma grande atitude, mas o agradecimento nunca deve ser esquecido. Obrigada pela atenção e carinho e por ter vindo até aqui comentar minha postagem. Saiba que é importantíssimo para a valorização do que escrevemos.
Siga meus blogs, será um prazer lhe ter como seguidor (a)

Abraços, Profª Lourdes Duarte

http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/
https://lourdesduarteprof.blogspot.com.br/